Associação de Divulgação da Doutrina Espírita

São José do Rio Preto - SP

Cap. X - Bem-aventurados os Misericordiosos - Instr.Esp.: Perdão das Ofensas - itens 14 e 15

HORA DO EVANGELHO NO LAR - segunda-feira, 6 de agosto de 2018

HORA DO EVANGELHO NO LAR

“Espíritas, não vos olvideis de que, tanto em palavras como em atos, o perdão das injúrias nunca deve reduzir-se a uma expressão vazia. Se vos dizeis espíritas, sede-o de fato...” – Simeão. (Cap. X – item 14 - ESE).

 

PRECE INICIAL

Que a Paz de Jesus permeie nossos corações hoje e sempre. Mestre Jesus! Elevamos nossos corações e agradecemos a Deus, o Pai da vida, por tudo que temos recebido, especialmente pela presente reencarnação. 
Agradecemos-te Mestre Jesus, o amparo de todos os dias e Te pedimos: guia nossos passos, ilumina nossos caminhos. Fortaleça nossa vigilância, dando-nos força e coragem para perseverarmos sempre no caminho do bem.
Auxilia-nos o entendimento da lição de hoje, para que instruídos pelo Teu amor, possamos colocar em prática, os Teus Ensinamentos no nosso dia a dia.

Envolvidos pelas Tuas vibrações de Paz, em Teu Nome Mestre Jesus, em nome dos espíritos responsáveis por esta tarefa de amor e sobretudo em nome de Deus, iniciamos nossos estudos de hoje.

Permaneça conosco e que assim seja.

Graças a Deus.

 

MENSAGEM INICIAL

PERDÃO E LIBERDADE

Aprendamos a perdoar, conquistando a liberdade de servir.
E imprescindível esquecer o mal para que o bem se efetue.
Onde trabalhas, exercita a tolerância construtiva para que a tarefa não se escravize a perturbações...
Em casa, guarda o entendimento fraterno, a fim de que a sombra não te algeme o espírito ao desespero...
Onde estiveres e onde fores, lembra-te do perdão incondicional, para que o auxílio dos outros te assegure paz à vida. É indispensável que a compreensão reine hoje entre nós, para que amanhã não estejamos encarcerados na rede das trevas.

A morte não é libertação pura e simples...

Desencarnar-se a alma do corpo não é exonerar-se dos sentimentos que lhe são próprios.
Muitos conduzem consigo, além-túmulo, uma taça de fel envenenado com que aniquilam os melhores sonhos dos que ficaram na Terra, e muitos dos que ficam na Terra conservam consigo no coração um vaso de fogo vivo com que destroem as melhores esperanças dos que demandam o cinzento portal do túmulo.

Não procures para tua alma o inferno invisível do ódio.

Acomoda-te com o adversário ainda hoje, procurando entendê-lo e servi-lo, para que amanhã não te matricules em aflitivas contendas com forças ocultas.
Transferir a reconciliação para o caminho da morte é atormentar o caminho da própria vida.

Desculpa sempre, reconhecendo que não prescindimos da paciência alheia.
Nem sempre somos nós a vítima real, de vez que, por atitudes imanifestas, induzimos o próximo a agir contra nós convertendo-nos, ante os tribunais da Justiça Divina, em autores, intelectuais dos delitos que passamos a lamentar indebitamente diante dos outros.

Toda intolerância é violência.

Toda dureza espiritual é crueldade.

Quase sempre, a crítica é corrosivo do bem, tanto quanto a acusação habitualmente, é um chicote de brasas.
E sabendo que encontraremos na estrada a projeção de nós mesmos, conservemos o perdão por defensor de nossa liberdade, ajudando agora para que não sejamos desajudados depois.


Do livro "Trevo de Idéias", Emmanuel/Chico Xavier, Edição GEEM

 

LEITURA DO EVANGELHO

CAPÍTULO X – Bem Aventurados os que são Misericordiosos

Instruções dos Espíritos: I – Perdão das Ofensas – itens 14 e 15

SIMEÃO, Bordeaux, 1862

14 – Quantas vezes perdoarei ao meu irmão? Perdoá-lo-eis, não sete vezes, mas setenta vezes sete. Eis um desses ensinos de Jesus que devem calar em vossa inteligência e falar bem alto ao vosso coração. Comparai essas palavras misericordiosas com a oração tão simples, tão resumida, e ao mesmo tempo tão grande nas suas aspirações, que Jesus ensinou aos discípulos, e encontrareis sempre o mesmo pensamento. Jesus, o justo por excelência, responde a Pedro: Perdoarás, mas sem limites; perdoarás cada ofensa, tantas vezes quantas ela vos for feita; ensinarás a teus irmãos esse esquecimento de si mesmo, que nos torna invulneráveis às agressões, aos maus tratos e às injúrias, serás doce e humilde de coração, não medindo jamais a mansuetude; e farás, enfim, para os outros, o que desejas que o Pai celeste faça por ti. Não tem Ele de te perdoar sempre, e acaso conta o número de vezes que o seu perdão vem apagar as tuas faltas?

Ouvi, pois essa resposta de Jesus, e como Pedro, aplicai-a a vós mesmos. Perdoai, usai a indulgência, sede caridosos, generosos, e até mesmo pródigos no vosso amor. Daí, porque o Senhor vos dará; abaixai-vos, que o Senhor vos levantará; humilhai-vos, que o Senhor vos fará sentar à sua direita.

Ide, meus bem-amados, estudai e comentai essas palavras que vos dirijo, da parte daquele que, do alto dos esplendores celestes, tem sempre os olhos voltados para vós, e continua com amor a tarefa ingrata que começou há dezoito séculos. Perdoai, pois, os vossos irmãos, como tendes necessidade de ser perdoados. Se os seus atos vos prejudicaram pessoalmente, eis um motivo a mais para serdes indulgentes, porque o mérito do perdão é proporcional à gravidade do mal, e não haveria nenhum em passar por alto os erros de vossos irmãos, se estes apenas vos incomodassem de leve.

Espíritas, não vos olvideis de que, tanto em palavras como em atos, o perdão das injúrias nunca deve reduzir-se a uma expressão vazia. Se vos dizeis espíritas, sede-o de fato: esquecei o mal que vos tenham feito, e pensai apenas numa coisa: no bem que possais fazer. Aquele que entrou nesse caminho não deve afastar-se dele, nem mesmo em pensamento, pois sois responsáveis pelos vossos pensamentos, que Deus conhece. Fazei, pois, que eles sejam desprovidos de qualquer sentimento de rancor. Deus sabe o que existe no fundo do coração de cada um. Feliz aquele que pode dizer cada noite, ao dormir: Nada tenho contra o meu próximo.

 

PAULO, Apóstolo, Lyon, 1861

15 – Perdoar aos inimigos é pedir perdão para si mesmo; perdoar aos amigos é dar prova de amizade; perdoar as ofensas é mostrar que se melhora. Perdoai, pois, meus amigos, para que Deus vos perdoe. Porque, se fordes duros, exigentes, inflexíveis, se guardardes até mesmo uma ligeira ofensa, como quereis que Deus esqueça que todos os dias tendes grande necessidade de indulgência? Oh, infeliz daquele que diz: Eu jamais perdoarei, porque pronuncia a sua própria condenação! Quem sabe se, mergulhando em vós mesmos, não descobrireis que fostes o agressor? Quem sabe se, nessa luta que começa por um simples aborrecimento e acaba pela desavença, não fostes vós a dar o primeiro golpe? Se não vos escapou uma palavra ferina? Se usaste de toda a moderação necessária? Sem dúvida o vosso adversário está errado ao se mostrar tão suscetível, mas essa é ainda uma razão para serdes indulgentes, e para não merecer ele a vossa reprovação. Admitamos que fosseis realmente o ofendido, em certa circunstância. Quem sabe se não envenenastes o caso com represálias, fazendo degenerar numa disputa grave aquilo que facilmente poderia cair no esquecimento? Se dependeu de vós impedir as consequências, e não o fizestes, sois realmente culpado. Admitamos ainda que nada tendes a reprovar na vossa conduta, e, nesse caso, maior o vosso mérito, se vos mostrardes clemente.

Mas há duas maneiras bem diferentes de perdoar: há o perdão dos lábios e o perdão do coração. Muitos dizem do adversário: “Eu o perdôo”, enquanto que, interiormente, experimentam um secreto prazer pelo mal que lhe acontece, dizendo-se a si mesmo que foi bem merecido. Quantos dizem: “Perdôo”, e acrescentam: “mas jamais me reconciliarei; não quero vê-lo pelo resto da vida”! É esse o perdão segundo o Evangelho? Não. O verdadeiro perdão, o perdão cristão, é aquele que lança um véu sobre o passado. É o único que vos será levado em conta, pois Deus não se contenta com as aparências: sonda o fundo dos corações e os mais secretos pensamentos, e não se satisfaz com palavras e simples fingimentos. O esquecimento completo e absoluto das ofensas é próprio das grandes almas; o rancor é sempre um sinal de baixeza e de inferioridade. Não esqueçais que o verdadeiro perdão se reconhece pelos atos, muito mais que pelas palavras.

REFLEXÕESSimão inicia dizendo que o ensino de Jesus sobre perdoar o irmão setenta vezes sete vezes é um dos que “devem calar em vossa inteligência e falar bem alto ao coração.” Simeão convida os espíritas a não tornar, em palavras e em atos, o perdão, somente em uma expressão vazia. Se nós observarmos com atenção, veremos que todos os dias, milhões e milhões de pessoas, inclusive nós mesmos, oram a Prece do Pai Nosso, ensinada por Jesus, sem prestar muita atenção na frase: “Perdoai as nossas dívidas assim como perdoamos os nossos devedores”, na qual está condicionada, ao perdão de Deus às nossas faltas, o nosso perdão às faltas dos outros. E continuamos pela vida toda a dizê-la sem, pelo menos, tentar colocar em prática essa Lei Divina, que é básica para a paz e felicidade do homem e da humanidade. Quando Jesus disse que não devemos perdoar até sete vezes e sim setenta vezes sete vezes, Ele quis nos repassar o aprendizado de que a Misericórdia não deve ter limites, e uma das coisas em que ela consiste é no esquecimento das ofensas. Paulo nos lembra que “Perdoar aos inimigos é pedir perdão para si mesmo; perdoar aos amigos é dar prova de amizade; perdoar as ofensas é mostrar que se melhora.” Lembremo-nos de que, quem perdoa já cresceu no amor.

 

 VIBRAÇÕES E PRECE FINAL

"Coloca o teu recipiente de água cristalina à frente de tuas orações e espera e confia." [Emmanuel / Chico Xavier]

Agradecidos por estes momentos de reflexões e aprendizado, com nossos pensamentos elevados, vamos nos doar em benefício daqueles que estão mais necessitados:

Senhor Jesus ampara nosso propósito de servir, que em Teu nome e com o auxílio dos bons espíritos, possamos ajudar a quem está mais necessitado do que nós. 

Que através de nossas vibrações - todos aqueles que estejam sofrendo, que estejam infelizes, recebam a suavização de suas dores.

Que todos os irmãos que estão nos vícios, nos crimes, recebam o estimulo para que se reequilibrem e possam buscar amparo e se corrigirem a tempo.

Que os enfermos recebam um lenitivo para seus males. 

Que as crianças e os jovens sejam envolvidos em proteção e que não lhes falte nunca o amparo material e espiritual.

Que os governantes de todas as nações, especialmente os do nosso país, tenham Tua proteção e que se utilizem sempre da justiça e do amor em favor do nosso povo.

Que todas as criaturas, cheias de amor e boa vontade, que querem praticar o bem, trabalhar em favor do próximo, consigam realizar todo o bem que desejam fazer.

Rogamos Senhor pelos nossos lares, nossos entes queridos para que recebam as Tuas Bênçãos de Luz e para que haja sempre compreensão entre os familiares.

Rogamos por nossa família espiritual, por nossa Casa de Oração para que tenham sempre a Tua Proteção, para que não haja dissensões, que o amor e a união prevaleçam sempre, para que todos os colaboradores sejam sempre protegidos, amparados e fortalecidos.

E assim, ainda Te Rogamos, estenda Tuas Mãos Misericordiosas sobre todos nós, restaurando nossas energias e fluidificando nossas águas para que tenhamos equilíbrio físico e mental. Te agradecemos Mestre Jesus por todas as bênçãos recebidas, por estar sempre nos protegendo e nos auxiliando a enxergarmos o mundo com os olhos do amor, permaneça conosco Senhor e que assim seja.

“Pai Nosso, que estais nos céus, santificado seja o Vosso Nome ...”

Que assim seja.

Paz e Bem.

 

comments powered by Disqus