Associação de Divulgação da Doutrina Espírita

São José do Rio Preto - SP

Hora do Evangelho no Lar - Reconhece-se o Cristão pelas suas obras - segundas feiras.

Departamento de Evangelho no Lar - CEFA - segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

HORA DO EVANGELHO NO LAR

“Nem todos os que me dizem Senhor, Senhor, entrarão no Reino dos Céus, mas somente o que faz a vontade de meu Pai, que está nos Céus”. (Mateus, 7:21).

 

PRECE

Senhor Jesus, aqui estamos mais uma vez reunidos em Teu Nome para o estudo do Teu Evangelho de Luz. Te agradecemos Mestre a oportunidade bendita do aprendizado, a oportunidade bendita do trabalho no bem, a oportunidade bendita de sermos auxiliados a compreendermos as leis divinas e aplica-las em nosso dia-a-dia mesmo que requeira grande esforço de nossa parte, criaturas imaturas, presunçosas e repletas ainda de orgulho.

Por isso te pedimos Mestre, auxilia-nos a desvendarmos os nossos olhos para as verdades sublimes do Pai, auxilia-nos a discernirmos nossas ações e a corrigi-las enquanto é tempo.

Dai-nos Senhor, força e coragem para reconhecermos nossos erros, nossos vícios, nossos deslumbramentos e nos corrigirmos, sendo humildes.

Mostrai-nos sempre Senhor, o caminho da persistência, para evitarmos o desânimo, o caminho da caridade, para evitarmos o egoísmo, o caminho da humildade para evitarmos o orgulho, o caminho do Amor para evitarmos que o mal se dissemine em nós mesmos. Que possamos ser sempre instrumentos da Tua Paz.

Que neste momento possamos ter a presença de nossos benfeitores espirituais nos dando a sustentação necessária para compreendermos e aplicarmos em nosso dia a dia a lição de hoje.

Esteja sempre conosco Mestre Jesus e que assim seja.

Que assim seja.
Graças a Deus, Graças a Jesus.

 

MENSAGEM INICIAL

SEMEADORES DA ESPERANÇA

Possivelmente não terás pensado ainda no verbo formoso e grave a que todos somos chamados: criar para o progresso
O Criador, ao dotar-nos de razão, a nós, criaturas, conferiu-nos o poder de imaginar, promover, originar, produzir.
Referimo-nos frequentemente à lei de causa e efeito.

Sabemos que ela funciona em termos de exatidão.

Utilizamo-la, quase sempre, tão-só para justificar sofrimentos, esquecendo-lhe a possibilidade de estabelecer alegrias. 
Causamos isso ou aquilo, geramos acontecimentos determinados. Experimentamos essa força que nos é peculiar, na formação de circunstâncias favoráveis aos homens.
Antes do comboio a vapor, a eletricidade já existia.

Os transportes arrastavam-se pela tração, mas foi preciso que alguém desejasse criar na Terra a locomotiva, que se converteu a pouco e pouco no trem elétrico, a fim de que a Civilização aprimorasse os sistemas de condução que prosseguem para mais altas expressões evolutivas.
O firmamento era vasculhado pelos olhos humanos há milênios, mas foi necessário que um astrônomo inventasse lentes, para que os povos recolhessem as preciosas informações do Universo, que já havia antes deles.

O princípio é idêntico para a vida moral.

Precisamos hoje e em toda a parte dos criadores de harmonia doméstica e social, dos desenhistas de pensamentos certos, dos escultores de boas obras. 
O tempo nos ensinará a entender a necessidade básica de se criarem condições para o entendimento mútuo, como já se estabeleceram normas para o trânsito fácil do automóvel.

Inventa em tua existência soluções de conforto, suscita motivos de paz, traça diretrizes de melhoria, faze o que ainda não foi aproveitado na realização da riqueza íntima de todos.
Provavelmente estamos na atualidade em estágio obscuro de lições, sob a atuação imperiosa de ações passadas.

Mas não nos será correto esquecer que somos Inteligências com raciocínio claro e que, se antigamente nos foi possível colocar em ação as causas que neste momento e neste local nos infelicitam, retemos conosco a sublime faculdade de idear, planejar e construir.

Ajamos na construtividade de Jesus, sejamos semeadores de esperança!

Do livro "Estude e Viva", por André Luiz e Emmanuel, Chico Xavier e Waldo Vieira.

 

LEITURA DO EVANGELHO

Capítulo 18 – MUITOS OS CHAMADOS E POUCOS OS ESCOLHIDOS

II – Reconhece-se o Cristão pelas suas obras

SIMEÃO

Bordeaux,1863

 

16 – “Nem todos os que me dizem Senhor, Senhor, entrarão no Reino dos Céus, mas somente o que faz a vontade de meu Pai, que está nos Céus”. Escutai estas palavras do mestre, todos vós que repelis a doutrina espírita como obra do demônio! Abri os vossos ouvidos, pois chegou o momento de ouvir! Será suficiente trazer a libré do Senhor, para ser um fiel servidor? Será bastante dizer:“ Sou cristão ”, para seguir o Cristo? Procurai os verdadeiros cristãos e os reconhecereis pelas suas obras. “Uma árvore boa não pode dar maus frutos, nem uma árvore má dar bons frutos”. – “Toda árvore que não der bons frutos será cortada e lançada no fogo”. – Eis as palavras do Mestre. Discípulos do Cristo, compreendei-as bem! Quais os frutos que a árvore do Cristianismo deve dar, árvore possante, cujos ramos frondosos cobrem com a sua sombra uma parte do mundo, mas ainda não abrigaram a todos os que devem reunir-se em seu redor? Os frutos da árvore da vida são frutos de vida, de esperança e fé. O Cristianismo, como o vem fazendo desde muitos séculos, prega sempre essas divinas virtudes, procurando distribuir os seus frutos. Mas quão poucos os colhem! A árvore é sempre boa, mas os jardineiros são maus. Quiseram moldá-la segundo as suas idéias, modelá-la de acordo com as suas conveniências. Para isso a cortaram, diminuíram, mutilaram. Seus ramos estéreis já não produzem maus frutos, pois nada mais produzem. O viajor sedento que se acolhe à sua sombra, procurando o fruto de esperança, que lhe deve dar força e coragem, encontra apenas os ramos adustos, pressagiando mau tempo. É em vão que busca o fruto da vida na árvore da vida: as folhas tombam secas aos pés. A mãos do homem tanto as trabalharam, que acabaram por crestá-las!

Abri, pois, vossos ouvidos e vossos corações, meus bem amados! Cultivai esta árvore da vida, cujos frutos proporcionam a vida eterna. Aquele que a plantou vos convida a cuidá-la com amor, que ainda a vereis dar com abundância os seus frutos divinos. Deixai-a assim como o Cristo vo-la deu: não a mutileis. Sua sombra imensa quer estender-se por todo o universo; não lhe corte a ramagem. Seus frutos generosos caem em abundância, para alentar o viajor cansado, que deseja chegar ao seu destino. Não os amontoeis, para guardá-los e deixá-los apodrecer, sem servirem a ninguém. “São muitos os chamados e poucos os escolhidos”. É que há os açambarcadores do pão da vida, como os há do pão material. Não vos coloqueis entre eles; a árvore que dá bons frutos deve distribuí-los para todos. Ide, pois, procurar os necessitados; conduzi-os sob as ramagens da árvore e partilhai com eles o abrigo que ela vos oferece. “Não se colhem uvas dos espinheiros”. Meus irmãos, afastai-vos, pois, dos que vos chamam para apontar os tropeços do caminho, e segui os que vos conduzem à sombra da árvore da vida.

O divino Salvador, o justo por excelência, disse, e suas palavras não passarão: “Os que me dizem Senhor, Senhor, nem todos entrarão no Reino dos Céus, mas somente aqueles que fazem a vontade de meu Pai, que está nos Céus”. Que o Senhor das bênçãos vos abençoe, que o Deus da luz vos ilumine; que a árvore da vida vos faça com abundância a oferenda dos seus frutos! Credes e orai!

 

REFLEXÕES: Na lição de hoje, Simeão fala sobre a história do Cristianismo, desenvolvendo a imagem de uma árvore – a árvore da vida – que com seus galhos está destinada a abrigar os viajores cansados do caminho, oferecer sobra e frutos nutritivos. Afirma que “Os frutos da árvore da vida são frutos de vida, de esperança e fé. Todavia, a árvore frondosa do cristianismo, que produz frutos de esperança, de fé, ainda não é compreendida por muitos que se põem sob sua sombra, não aproveitando seus frutos, por não perceberem a qualidade do seu sabor e a riqueza das suas substâncias para a saúde, prazer e bem-estar da alma.  Nem todos os que se dizem cristãos, em realidade o são, pois, muitos buscam amoldar seus frutos às suas conveniências materiais, usando-os para seus interesses pessoais, atitude própria de um ser imperfeito e rebelde, que não sabe usar todos os recursos da alma para ver, ouvir, sentir, apalpar, e cheirar a vida. Desse modo, o cristianismo, para muitos, se tornou uma árvore improdutiva, ou produzindo maus frutos. E Simeão nos convida ao cultivo dessa árvore, como Jesus a plantou, regando-a com seus ensinos, e dando-lhe o adubo dos seus exemplos, durante seu viver em um mundo material e imperfeito, mesmo percebendo e sabendo que muitos dos seus seguidores a deixariam sem cuidados, e a mutilariam. “Seus frutos generosos caem com abundância, para atender o viajor cansado, que deseja chegar ao seu destino.” Por isso, esses frutos devem ser distribuídos a todos, na sua pureza cristã, sem deturpações, sem querer adequá-los às conveniências individuais e sociais. Cada um de nós deve esforçar-se para adequar-se a esses frutos, estudando-os, analisando-os sempre dentro do contexto geral da mensagem de Jesus, porque só assim seus frutos poderão ser apreciados e desejados por todos. E só assim, eles cumprirão sua função de tornar essa humanidade imperfeita, egoísta, materialista, orgulhosa, em uma humanidade fraterna, solidária, progressista no bem de todos, para todos. Que nós, espíritas, possamos, divulgar os ensinos de Jesus, à luz do espiritismo, usando os recursos disponíveis, sempre que houver a possibilidade, mas, principalmente, através do exemplo, pois aquele que possui uma fé consolidada pela Razão e inspirada no Amor não pode ser inoperante. Cristão não é um rótulo, mas uma vivência. O Evangelho não é para ser lido e guardado na estante; ele tem que ser vivenciado e aplicado em todos os dias de nossas vidas. Quando Jesus afirma que reconhece-se uma boa árvore pelos seus frutos (Mt, 7:20), é indispensável questionarmos quais os frutos que produzimos, e se beneficiam de fato nossos irmãos.

Pensemos nisto!

 

 

PRECE E VIBRAÇÕES –

 

"Coloca o teu recipiente de água cristalina à frente de tuas orações e espera e confia." [Emmanuel / Chico Xavier]

 

E assim, com nossos pensamentos e sentimentos elevados vamos à prática da caridade.

Neste dia, humildemente, Te pedimos Mestre Jesus que nos envolvas e derrame Tua Luz em nossa direção.
Cubra-nos com Tua proteção, reabastece nossa energias, fazendo-nos compreensão.

Com nosso coração elevado vamos vibrando sentimentos de Paz, de Amor, de Harmonização, de Saúde e Equilíbrio em benefício de todos os nossos irmãos.
Vibremos a todos aqueles que caminham pela vida sem deixarem-se ofuscar pelas facilidades da matéria.
Vibremos a todos que, tendo uma compreensão maior das suas reais necessidades, não se deixam enganar pelo brilho que se esconde atrás do poder.
Vibremos a todos que vivem com tranquilidade o seu dia-a-dia, sem se preocuparem com o amanhã. Pois dentro deles reina a certeza que o Pai não abandona um filho seu.
Vibremos a todos aqueles que, na aceitação das determinações do Pai, têm a certeza que esse é o caminho do aprendizado, da humildade e da fé num porvir melhor.
Vibremos a todos que aceitam a vida sem murmurar, pois deles é o reino dos céus.

Vibremos especialmente e amorosamente por todos aqueles que, encarnados ou desencarnados, estejam doentes, obsedados;

Vibremos pelos idosos, pelas crianças, pelos jovens, por todas as famílias, por todos aqueles que sofrem de solidão e de depressão;

Vibremos por nosso Brasil, por nosso povo sofrido;

Vibremos amorosamente por nossa Casa Espírita e por todos seus voluntários e assistidos, para que todos sejam amplamente abençoados, esclarecidos e fortalecidos.

E assim, Jesus Amigo, neste momento em que vamos encerrando nosso encontro de corações, nós ainda pedimos que os fluidos divinos sejam depositados em nossas águas e que através deles possamos receber as bênçãos que necessitamos.

Agradecidos por estes momentos de estudos e reflexão, que possamos finalizar melhores do que quando iniciamos os estudos e estar sempre Contigo, na certeza de que Estás sempre conosco.

Que assim seja.

 

Recebam nosso abraço fraterno e o desejo de uma semana feliz e abençoada.

Paz e Luz.

 

comments powered by Disqus