Associação de Divulgação da Doutrina Espírita

São José do Rio Preto - SP

Estudo Semanal do Livro dos Espíritos.05/08/2016

Adauto Alves de Lima- ADDE - sexta-feira, 5 de agosto de 2016
O QUE ACONTECE COM A ALMA NO INSTANTE DA MORTE? COMO ENTENDER A VIDA ETERNA? Estes e outros ensinamentos contidos na lição de hoje. Leia abaixo.
O LIVRO DOS ESPÍRITOS » PARTE SEGUNDA - DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS » CAPÍTULO III - DA VOLTA DO ESPÍRITO, EXTINTA A VIDA CORPÓREA, À VIDA ESPIRITUAL » A ALMA APÓS A MORTE; SUA INDIVIDUALIDADE. VIDA ETERNA »
149. Que sucede à alma no instante da morte?
 
“Volta a ser Espírito, isto é, volve ao mundo dos Espíritos, donde se apartara momentaneamente.”
 
150. A alma, após a morte, conserva a sua individualidade?
 
“Sim; jamais a perde. Que seria ela, se não a conservasse?”
 
149a) – Como constata a alma a sua individualidade, uma vez que não tem mais corpo material?
 
“Continua a ter um fluido que lhe é próprio, haurido na atmosfera do seu planeta, e que guarda a aparência de sua última encarnação: seu perispírito.”
 
149b) – A alma nada leva consigo deste mundo?
 
“Nada, a não ser a lembrança e o desejo de ir para um mundo melhor, lembrança cheia de doçura ou de amargor, conforme o uso que ela fez da vida. Quanto mais pura for, melhor compreenderá a futilidade do que deixa na Terra.”
 
151. Que pensar da opinião dos que dizem que após a morte a alma retorna ao todo universal?
 
“O conjunto dos Espíritos não forma um todo? Não constitui um mundo completo? Quando estás numa assembléia, és parte integrante dela; mas, não obstante, conservas sempre a tua individualidade.”
 
152. Que prova podemos ter da individualidade da alma depois da morte?
 
“Não tendes essa prova nas comunicações que recebeis? Se não fôsseis cegos, veríeis; se não fôsseis surdos, ouviríeis; pois que muito amiúde uma voz vos fala, reveladora da existência de um ser fora de vós.”
 
KARDEC: Os que pensam que, pela morte, a alma reingressa no todo universal estão em erro, se supõem que, semelhante à gota d’água que cai no oceano, ela perde ali a sua individualidade. Estão certos, se por todo universal entendem o conjunto dos seres incorpóreos, conjunto de que cada alma ou Espírito é um elemento.
Se as almas se confundissem num amálgama só teriam as qualidades do conjunto, nada as distinguiria uma das outras. Careceriam de inteligência e de qualidades próprias quando, ao contrário, em todas as comunicações, denotam ter consciência do seu eu e uma vontade distinta. A diversidade infinita que apresentam, sob todos os aspectos, é a consequência mesma de constituírem individualidades diversas. Se, após a morte, só houvesse o que se chama o grande Todo, a absorver todas as individualidades, esse Todo seria uniforme e, então, as comunicações que se recebessem do mundo invisível seriam idênticas. Desde que, porém, lá se nos deparam seres bons e maus, sábios e ignorantes, felizes e desgraçados; que lá os há de todos os caracteres: alegres e tristes, levianos e ponderados, etc., patente se faz que eles são seres distintos. A individualidade ainda mais evidente se torna quando esses seres provam a sua identidade por sinais incontestáveis, particularidades pessoais verificáveis, referentes às suas vidas terrestres. Também não pode ser posta em dúvida quando se fazem visíveis nas aparições. A individualidade da alma nos era ensinada em teoria, como artigo de fé. O Espiritismo a torna manifesta e, de certo modo, material.
 
153. Em que sentido se deve entender a vida eterna?
 
“A vida do Espírito é que é eterna; a do corpo é transitória e passageira. Quando o corpo morre, a alma retoma a vida eterna.”
 
a) – Não seria mais exato chamar vida eterna à dos Espíritos puros, dos que, tendo atingido a perfeição, não estão sujeitos a sofrer mais prova alguma?
 
“Essa é antes a felicidade eterna. Mas isto constitui uma questão de palavras. Chamai as coisas como quiserdes, contanto que vos entendais.”
 
TEXTOS RELACIONADOS: IPEAK
 
Revista Espírita 1858 » Maio » Conversas familiares de além-túmulo » Mozart
Revista Espírita 1859 » Abril » Quadro da vida espírita
O que é o Espiritismo? » Capitulo III - Solução de alguns problemas pela Doutrina Espírita » O homem depois da morte » 148
O Livro dos Médiuns » Segunda parte - Das manifestações espíritas » Capítulo VI - Das manifestações visuais » Noções sobre as aparições
O Livro dos Médiuns » Segunda parte - Das manifestações espíritas » Capítulo VI - Das manifestações visuais » Ensaio teórico sobre as aparições » Ensaio teórico sobre as aparições
Revista Espírita 1862 » Maio » Exéquias do Sr. Sanson
Revista Espírita 1863 » Março » Palestras de além-túmulo » Clara Rivier
Revista Espírita 1868 » Março » Correspondência inédita de Lavater com a Imperatriz Maria da Rússia
Revista Espírita 1869 » Abril » Bibliografia » Há uma vida futura?
?

Lima, Adauto Alves de

Fones: (17) 3232.3321 / 997911320

comments powered by Disqus