Associação de Divulgação da Doutrina Espírita

São José do Rio Preto - SP

Hora do Evangelho no Lar - Cap. 23 - Não vim trazer a Paz, mas a Espada - segundas feiras, 12hs.

Departamento de Evangelho no Lar - CEFA - segunda-feira, 25 de julho de 2016

HORA DO EVANGELHO NO LAR

“Não julgueis que vim trazer paz a Terra; não vim trazer-lhe paz, mas espada. (Mateus, X: 34)”.

PRECE

Vamos neste momento elevando nossos pensamentos a Deus, o Pai da vida e agradecendo por tudo que temos recebido, inclusive a presente reencarnação, oportunidade bendita que devemos aproveitar cada minuto, cada segundo. Agradecemos a Jesus por tudo que nos deixou, pelos ensinamentos e pelo exemplo de vida. Agradecemos por esta oportunidade de aprendizado, de estudo edificante em nossas vidas, que Jesus nos abençoe neste momento e permita a presença de nossos benfeitores espirituais, de nossos mentores, para auxiliar-nos a compreensão da lição de hoje e que esta lição Senhor, possa penetrar profundamente em nossos corações para que através dela e de todos os Teus ensinamentos, possamos mudar nossas ações em nosso dia-a-dia, tendo mais compreensão, menos orgulho e mais humildade.

E assim Mestre Amado, com Tua permissão e em Teu nome, em nome da espiritualidade amiga, responsável por este trabalho de amor e sobretudo em nome de Deus, iniciamos nossos estudos de hoje.

Permaneça conosco Mestre Jesus e que assim seja.

Graças a Deus, Graças a Jesus.

 

MENSAGEM INICIAL
Paz do mundo e paz do Cristo

É indispensável não confundir a paz do mundo com a paz do Cristo.

A calma do plano inferior pode não passar de estacionamento.

A serenidade das esferas mais altas significa trabalho divino, a caminho da Luz Imortal.

O mundo consegue proporcionar muitos acordos e arranjos nesse terreno, mas somente o Senhor pode outorgar ao espírito a paz verdadeira.

Nos círculos da carne, a paz das nações costuma representar o silêncio provisório das baionetas; a dos abastados inconscientes é a preguiça improdutiva e incapaz; a dos que se revoltam, no quadro de lutas necessárias, é a manifestação do desespero doentio; a dos ociosos sistemáticos, é a fuga ao trabalho; a dos arbitrários, é a satisfação dos próprios caprichos; a dos vaidosos, é o aplauso da ignorância; a dos vingativos, é a destruição dos adversários; a dos maus, é a vitória da crueldade; a dos negociantes sagazes, é a exploração inferior; a dos que se agarram às sensações de baixo teor, é a viciação dos sentidos; a dos comilões, é o repasto opulento do estômago, embora haja fome espiritual no coração.

Há muitos ímpios, caluniadores, criminosos e indiferentes que desfrutam a paz do mundo. Sentem-se triunfantes, venturosos e dominadores no século.

A ignorância endinheirada, a vaidade bem vestida e a preguiça inteligente sempre dirão que seguem muito bem.

Não te esqueças, contudo, de que a paz do mundo pode ser, muitas vezes, o sono enfermiço da alma.

Busca, desse modo, aquela paz do Senhor, paz que excede o entendimento, por nascida e cultivada, portas a dentro do espírito, no campo da consciência e no santuário do coração.

Emmanuel da obra: "Vinha de Luz“, Chico Xavier.

 

LEITURA DO EVANGELHO
Capítulo 23 – MORAL ESTRANHA – Não vim trazer a Paz, mas a Espada – itens 16, 17 e 18

16 – Quando Jesus disse: Não penseis que vim trazer a paz, mas a divisão – seu pensamento era o seguinte:

 “Não penseis que a minha doutrina se estabeleça pacificamente. Ela trará lutas sangrentas, para as quais o meu nome servirá de pretexto. Porque os homens não me haverão compreendido, ou não terão querido compreender-me. Os irmãos, separados pelas suas crenças, lançarão a espada um contra o outro, e a divisão se fará entre os membros de uma mesma família, que não terão a mesma fé. Vim lançar o fogo na Terra, para consumir os erros e os preconceitos, como se põe fogo num campo para destruir as ervas daninhas, e anseio porque se acenda, para que a depuração se faça mais rapidamente, pois dela sairá triunfante a verdade. A guerra sucederá a paz; ao ódio dos partidos, a fraternidade universal; às trevas do fanatismo, a luz da fé esclarecida”.

 “Então, quando o campo estiver preparado, eu vos enviarei o Consolador, o Espírito da Verdade, que virá restabelecer todas as coisas, ou seja, que dando a conhecer o verdadeiro sentido das minhas palavras, que os homens mais esclarecidos poderão enfim compreender, porá termo à luta fratricida que divide os filhos de um mesmo Deus. Cansados, afinal, de um combate sem solução, que só acarreta desolação e leva o distúrbio até mesmo ao seio das famílias, os homens reconhecerão onde se encontram os seus verdadeiros interesses, no tocante a este e ao outro mundo, e verão de que lado se acham os amigos e os inimigos da sua tranquilidade. Nesse momento, todos virão abrigar-se sob a mesma bandeira: a da caridade, e as coisas serão restabelecidas na Terra, segundo a verdade e os princípios que vos ensinei”.

17 – O Espiritismo vem realizar, no tempo determinado, as promessas do Cristo. Não o pode fazer, entretanto, sem destruir os erros. Como Jesus, ele se defronta com o orgulho, o egoísmo, a ambição, a cupidez, o fanatismo cego, que, cercados nos seus últimos redutos, tenta ainda barrar-lhe o caminho, e levantam contra ele entraves e perseguições. Eis por que ele também é forçado a combater. Mas a época das lutas e perseguições sangrentas já passou, e as que ele tem de suportar são todas de ordem moral, sendo que o fim de todas elas se aproxima. As primeiras duraram séculos; as de agora durarão apenas alguns anos, porque a luz não parte de um só foco, mas irrompe de todos o ponto do globo, e abrirá mais depressa os olhos aos cegos.

18 – Aquelas palavras de Jesus devem ser entendidas, portanto, como referentes à cólera que, segundo previa, a sua doutrina iria suscitar; aos conflitos momentâneos, que surgiram como consequência; às lutas que teria de sustentar, antes de se firmar, como aconteceu com os hebreus antes de sua entrada na Terra Prometida; e não como um desígnio premeditado, de sua parte, de semear a desordem e a confusão. O mal devia provir dos homens, e não dele. A sua posição era a do médico que veio curar, mas cujos remédios provocam uma crise salutar, revolvendo os humores malignos do enfermo

 

REFLEXÕES:  O Espírito Emmanuel, lucidamente, em nossa mensagem inicial, esclarece o texto evangélico: “Não julgueis que vim trazer paz a Terra; não vim trazer-lhe paz, mas espada; porque vim separar o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; e os inimigos do homem serão os seus mesmos domésticos. (Mateus, X: 34-36)”. É indispensável não confundir a paz do mundo com a paz do Cristo.  A espada citada pelo Cristo é, pois, um simbolismo. É a espada simbólica do conhecimento interior através da revelação divina, a fim de que o homem inicie a batalha do aperfeiçoamento em si mesmo. Jesus trazia a Lei do amor que contrariava todos os princípios egoísticos humanos. A humanidade, tanto no tempo de Jesus, como ainda hoje, atribui um valor maior aos bens materiais, relegando a plano secundário os bens do Espírito. Jesus nos ensina a modificar essa tabela de valores. Os bens verdadeiros são os espirituais, o saber e as virtudes. Desenvolver as potencialidades do Espírito é o objetivo da vida. O versículo de Mateus mostra que a paz deve ser compreendida como o estado da consciência tranquila, obtida pelo cumprimento do dever e decorrente da constante vigilância sobre as nossas imperfeições. É na terra do coração que se trava a verdadeira guerra de melhoria dos sentimentos. A “espada” é, neste sentido, um instrumento de progresso que “corta” as nossas más inclinações, num processo de intensa batalha íntima. Escreve Kardec no capítulo em estudo que a Doutrina do Cristo não se estabeleceu sem lutas acirradas pelos interesses humanos e imediatistas. Quando afirmou: “não vim trazer a paz”, falava também das desavenças de crenças que ocorreria também no meio familiar, pois com o correr do tempo várias ramificações foram surgindo no Cristianismo e hoje o mundo está dividido em muitas religiões e seitas, existindo em uma única família várias opiniões diferentes, chegando a brigarem entre si, por considerar, cada um, que à sua religião é a certa, e levantam a espada da discórdia e da divisão.

 

PRECE E VIBRAÇÕES –

"Coloca o teu recipiente de água cristalina à frente de tuas orações e espera e confia."
[Emmanuel / Chico Xavier]

Mestre Jesus, agradecidos por mais este encontro, juntamos nossos pensamentos e sentimentos para, neste momento, vibrarmos por todos aqueles, encarnados e desencarnados, que necessitam mais do que nós.

Senhor, que nossas vibrações de amor, saúde, paz e alegrias cheguem até os corações fragilizados.

E assim Mestre Amado vibramos inicialmente pelo nosso Planeta, por todos as Nações, pelo nosso Brasil e por todos os povos para que a paz e a fraternidade se estabeleçam.

Vibramos pelos doentes, pelos idosos, pelas crianças, pelos jovens, por nossas Casas Espíritas e por todos aqueles que levam os Teus ensinamentos a todos os lugares.

Vibramos Senhor, amorosamente, pelos desempregados, por todos aqueles que sofrem de depressão, de solidão, que sejam sempre amparados e esclarecidos.

Vibramos agora pelos nossos queridos, por nossos amigos e por nossos familiares, especialmente por aqueles que se fazem mais difíceis de conviver.

Vibramos finalmente, por nós mesmos, para que tenhamos sempre discernimento, compreensão e, para alcançarmos o conhecimento de nós mesmos a fim de evoluirmos em nossa caminhada espiritual.

E assim, Jesus Amigo, Te pedimos que estenda sobre todos nós as Tuas Mãos Misericordiosas para que possamos receber a Luz que acalma nossos corações, que pacifica nossas almas. Que que esta Luz se estenda por todos os cantos e recantos de nosso lar higienizando e perfumando com Teu Amor.

Mestre Jesus que possamos receber o lenitivo para nossas dores, que nossas águas sejam fluidificadas, para recebermos a energia necessária ao nosso refazimento.

Obrigada Mestre Jesus por todas as bênçãos recebidas e por estes momentos de estudo e reflexão acerca do Teu Evangelho. 

Que Teus ensinamentos permaneçam em nossos corações e se façam visiveis através de nossas ações e de nossas atitudes, que saibamos compreender mais, perdoar mais e amar sempre mais, principalmente aqueles que se fazem mais difíceis.

Permaneça conosco Mestre Amado, por hoje, amanhã e sempre.

Que assim seja.

 

Uma semana de muitas alegrias a todos.

Paz e Luz!

Graças a Deus, graças a Jesus.

comments powered by Disqus