Associação de Divulgação da Doutrina Espírita

São José do Rio Preto - SP

Hora do Evangelho no Lar -Bem-aventurados os que são brandos.. - A Cólera - segundas-feiras Às 12hs

Departamento do Evangelho no Lar - CEFA - segunda-feira, 4 de abril de 2016

HORA DO EVANGELHO NO LAR     
Bem-aventurados os mansos, porque eles possuirão a Terra. (Mateus, V: 4).

 

PRECE INICIAL

Queridos irmãos, que Jesus nos abençoe e nos proteja.

Vamos, neste momento, elevando nossos pensamentos a Deus, nosso Pai, louvando e agradecendo por mais esse dia em nossas vidas, pelo dom da vida e pela presente encarnação. Agradecemos também pela doutrina espírita em nossas vidas, doutrina que nos acolhe e nos esclarece. Vamos agradecendo também a Jesus por mais esta oportunidade bendita que nos concede para servir, estudar e buscarmos os esclarecimentos que nos preparam para os desafios da vida.

Agradecemos a presença de nossos benfeitores, de nossos mentores espirituais pedindo a eles que nos auxiliem a compreendermos as lições de hoje, a fim de nos conhecermos melhor, para que a Luz do Evangelho de Jesus se faça sempre presente em nossos corações, em nossas ações, em nossas vidas.

Que possamos ter mais compreensão, mais humildade e muito mais perseverança para caminharmos sempre pelas estradas do bem, pelos caminhos que nos ensinou, Mestre Jesus.

E assim, protegidos e amparados, em Teu nome, iniciamos o estudo de hoje.

Que assim seja!

 

MENSAGEM INICIAL

O grito de Cólera

Lembra-se do instante em que gritou fortemente, antes do almoço?

Por insignificante questão de vestuário, você pronunciou palavras feias em voz alta, desrespeitando a paz doméstica.

Ah! meu filho, quantos males foram atraídos por seu gesto de cólera! ...

A Mamãe, muito aflita, correu para o interior, arrastando atenções de toda a casa. Voltou-lhe a dor-de-cabeça e o coração tornou a descompassar-se.

- As duas irmãs, que cuidavam da refeição, dirigiram-se precipitadamente para o quarto, a fim de socorrê-la, e duas terças partes do almoço ficaram inutilizadas.

Em razão das circunstâncias provocadas por sua irreflexão, o papai, muito contrariado, foi compelido a esperar mais tempo em casa, chegando ao serviço com grande atraso.

Seu chefe não estava disposto a tolerar-lhe a falta e recebeu-o com repreensão áspera.

Quem o visse, erecto e digno, a sofrer essa pena, em virtude da sua leviandade, sentiria compaixão, porque você não passa de um jovem necessitado de disciplina, e ele é um homem de bem, idoso e correto, que já venceu muitas tempestades para amparar a família e defendê-la. Humilhado, suportou as consequências de seu gesto impulsivo, por vários dias, observado na oficina qual se fora um menino vadio e imprudente.

Os resultados de sua gritaria foram, porém, mais vastos.

A Mãezinha piorou e o médico foi chamado. Medicamentos de alto preço, trazidos à pressa, impuseram vertiginosa subida às despesas, e o papai não conseguiu pagar todas as contas de armazém, farmácia e aluguel de casa.

Durante seis meses, toda a sua família lutou e solidarizou-se para recompor a harmonia quebrada, desastradamente, por sua ira infantil.

Cento e oitenta dias de preocupações e trabalhos árduos, sacrifícios e lágrimas! Tudo porque você, incapaz de compreender a cooperação alheia, se pôs a berrar, inconscientemente, recusando a roupa que lhe não agradava.

Pense na lição, meu filho, e não repita a experiência.

Todos estamos unidos, reciprocamente, através de laços que procedem dos desígnios divinos. Ninguém se reúne ao acaso. Forças superiores impelem-nos uns para os outros, de modo a aprendermos a ciência da felicidade, no amor e no respeito mútuos.

O golpe do machado derruba a árvore de vez.

A ventania destrói um ninho de momento para outro.

A ação impensada de um homem, todavia, é muito pior.

O grito de cólera é um raio mortífero, que penetra o círculo de pessoas em que foi pronunciado e aí se demora, indefinidamente, provocando moléstias, dificuldades e desgostos.

Porque não aprende a falar e a calar, a benefício de todos?

Ajude em vez de reclamar.

A cólera é força infernal que nos distancia da paz divina.

A própria guerra, que extermina milhões de criaturas, não é senão a ira venenosa de alguns homens que se alastra, por muito tempo, ameaçando o mundo inteiro.

XAVIER, Francisco Cândido. Alvorada Cristã. Pelo Espírito Neio Lúcio. FEB.

 

LEITURA DO EVANGELHO

CAPÍTULO IX – BEM AVENTURADOS OS QUE SÃO BRANDOS E PACÍFICOS

INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS:

IV – A CÓLERA – itens 09 e 10.

UM ESPÍRITO PROTETOR

Bordeaux, 1863

9 – O orgulho vos leva a vos julgardes mais do que sois, a não aceitar uma comparação que vos possa rebaixar, e a vos considerardes, ao contrário, de tal maneira acima de vossos irmãos, seja na finura de espírito, seja no tocante à posição social, seja ainda em relação às vantagens pessoais, que o menor paralelo vos irrita e vos fere. E o que acontece, então? Entregai-vos à cólera.

Procurai a origem desses acessos de demência passageira, que vos assemelham aos brutos, fazendo-vos perder o sangue frio e a razão: procurai-a, e encontrareis quase sempre por base o orgulho ferido. Não é acaso o orgulho ferido por uma contradita, que vos faz repelir as observações justas e rejeitar, encolerizados, os mais sábios conselhos? Até mesmo a impaciência, causada pelas contrariedades, em geral pueris, decorre da importância atribuída à personalidade, perante a qual julgais que todos devem curvar-se.

No seu frenesi, o homem colérico se volta contra tudo, à própria natureza bruta, aos objetos inanimados, que espedaça, por não o obedecerem. Ah!, se nesses momentos ele pudesse ver-se a sangue frio, teria horror de si mesmo ou se reconheceria ridículo! Que julgue por isso a impressão que deve causar aos outros. Ao menos pelo respeito a si mesmo, deveria esforçar-se, pois, para vencer essa tendência que o torna digno de piedade.

Se pudesse pensar que a cólera nada resolve, que lhe altera a saúde, compromete a sua própria vida, veria que é ele mesmo a sua primeira vítima. Mas ainda há outra consideração que o deveria deter: o pensamento de que torna infelizes todos os que o cercam. Se tiver coração, não sentirá remorsos por fazer sofrer as criaturas que mais ama? E que mágoa mortal não sentiria se, num acesso de arrebatamento, cometesse um ato de que teria de recriminar-se por toda a vida!

Em suma: a cólera não exclui certas qualidades do coração, mas impede que se faça muito bem, e pode levar a fazer-se muito mal. Isso deve ser suficiente para incitar os esforços por dominá-la. O espírita, aliás, é incitado por outro motivo: o de que ela é contrária à caridade e à humildade cristãs.       

*

HAHNEMANN

Paris, 1863                                             

10 – Segundo a ideia muito falsa de que não se pode reformar a própria natureza, o homem se julga dispensado de fazer esforços para se corrigir dos defeitos em que se compraz voluntariamente, ou que para isso exigiriam muita perseverança. É assim, por exemplo, que o homem inclinado à cólera se desculpa quase sempre com o seu temperamento. Em vez de se considerar culpado, atribui a falta ao seu organismo, acusando assim a Deus pelos seus próprios defeitos. É ainda uma consequência do orgulho, que se encontra mesclado a todas as suas imperfeições.

Não há dúvida que existem temperamentos que se prestam melhor aos atos de violência, como existem músculos mais flexíveis, que melhor se prestam a exercícios físicos. Não penseis, porém, que seja essa a causa fundamental da cólera, e acreditai que um Espírito pacífico, mesmo num corpo bilioso, será sempre pacífico, enquanto um Espírito violento, num corpo linfático, não seria mais dócil. Nesse caso, a violência apenas tomaria outro caráter. Não dispondo de um organismo apropriado à sua manifestação, a cólera seria concentrada, enquanto no caso contrário seria expansiva.

O corpo não dá impulsos de cólera a quem não os tem, como não dá outros vícios. Todas as virtudes e todos os vícios são inerentes ao Espírito. Sem isso, onde estariam o mérito e a responsabilidade? O homem que é deformado não pode tornar-se direito, porque o Espírito nada tem com isso, mas pode modificar o que se relaciona com o Espírito, quando dispõe de uma vontade firme. A experiência não vos prova, espíritas, até onde pode ir o poder da vontade, pelas transformações verdadeiramente miraculosas que se operam aos vossos olhos? Dizei, pois, que o homem só permanece vicioso porque o quer, mas que aquele que deseja corrigir-se sempre o pode fazer. De outra maneira, a lei do progresso não existiria para o homem.

 

REFLEXÕESNos três primeiros parágrafos, o autor, que se nomeou Um Espírito Protetor, explica que a origem da cólera está no orgulho, que leva o homem a se julgar tão acima do que é, que o menor paralelo o irrita e o fere. Hahnemann fala da falsa ideia, ainda muito aceita nos dias de hoje, de que não se pode modificar a própria natureza, “Nasci assim, sou assim e assim continuarei sendo”. “Pau que nasce torto não se endireita.”  Assim o homem, descuidado, vai  vivendo, da sua maneira, causando sofrimentos a outros e, amargando as graves consequências no decorrer de sua vida, principalmente, nos últimos anos de sua existência. Essa ideia do “nasci assim” é muito aceita pelas pessoas inclinadas à cólera, culpando seus organismos, dizem: "Está no sangue, herança dos pais". Outros jogam a culpa em Deus, dizem: “Ele me fez assim, não tenho culpa.” Mas a cólera é uma imperfeição humana, desenvolvida pelo homem, no decorrer do seu processo evolutivo, consequência do orgulho. Hahnemann afirma que “não há dúvida que existem temperamentos que se prestam melhor aos atos de violência, todavia, um Espírito pacífico, mesmo num corpo bilioso, será sempre pacífico”. Então, a causa da cólera está no Espírito e não no corpo.

“O corpo não dá impulsos de cólera a quem não os tem, como não dá outros vícios. Todas as virtudes e todos os vícios são inerentes ao Espírito. Sem isso, onde estariam o mérito e a responsabilidade?”

André Luiz, na obra Estude e Viva nos diz assim: “Se a agressividade nos assinala o modo de ser, tratemos do caráter enfermiço, com a mesma atenção com que se medica um órgão doente. E se nossa consciência jaz tranquila, na certeza de que temos procurado realizar o melhor ao nosso alcance, no aproveitamento das oportunidades que o Senhor nos concedeu, estejamos serenos na dificuldade e operosos na prática do bem, à frente de quaisquer circunstância...”  

Cuidemos portanto do nosso caráter enfermiço o mais rápido possível, enquanto é tempo.

VIBRAÇÕES 

Neste momento, com nossos corações pacificados, fortalecidos e harmonizados com Deus nosso Pai, vamos vibrar, e vibrar é desejar os nossos melhores pensamentos e os nossos melhores sentimentos. Então, juntos, elevemos nosso pensamento mentalizando Jesus, com suas Mãos abertas em nossa direção, em direção ao nosso planeta derramando muita Luz e Paz, entrelaçando os homens e unindo-nos como irmãos que somos, em laços de profunda paz, de amor.  Que essa imensa Luz ilumine mentes e corações para que a Paz seja estabelecida entre todos os povos, em todos os lugares de nosso planeta. Que essa Luz se faça presente especialmente sobre nosso Brasil, sobre nossos governantes, nosso povo e que todos recebam através dela ondas de Paz, Amor e Esperança. Que essa Luz se faça mais forte e penetre todos os lares, no nosso também, iluminando e protegendo nossos queridos, higienizando todo o ambiente, deixando neles somente vibrações de amor.

E assim, vamos vibramos também por todos os necessitados, doentes e sofredores, encarnados e desencarnados, que todos possam receber a paz desta oração,a Luz do Amor de Jesus.

Vibramos pelos jovens e pelas crianças, pelos idosos e por todos aqueles que ainda não conhecem a Tua bondade Senhor. Que Jesus os ilumine sempre e lhes dê o amparo de que necessitam.

Vibramos por nossa Casa Espírita que nos acolhe amorosamente, vibramos por todos os trabalhadores e assistidos, que Deus os abençoe em seus propósitos do bem.

E assim pedimos permissão para vibrarmos por nós mesmos, criaturas que somos ainda tão necessitadas do amparo e da misericórdia Divina, do esclarecimento e do fortalecimento em nossas fragilidades. Que Deus em sua infinita misericórdia abençoe e ampare a todos. Que assim seja.

 

PRECE FINAL

"Coloca o teu recipiente de água cristalina à frente de tuas orações e espera e confia." [Emmanuel / Chico Xavier]

Ao finalizarmos nossos estudos, agradecemos a Deus, Pai da Vida, a Jesus, nosso Mestre, por esta oportunidade bendita de esclarecimento e aprendizado. Agradecemos aos Benfeitores Espirituais e aos nosso Mentores por estarem conosco, orientando nossos caminhos e nos auxiliando o aprendizado e a prática de Teus ensinamentos, Mestre Jesus.

Agradecemos Jesus, por ter nos ensinado que, através da prece recebemos o alimento necessário para a nossa sobrevivência espiritual, que através da prece estabelecemos uma conexão com o mais alto e que assim acalmamos nossos corações, compreendendo mais, amando mais.

Mestre Jesus, rogamos que permita que neste momento, que nossas águas sejam fluidificadas, que nelas sejam depositadas os medicamentos necessários para nosso reequilíbrio físico, espiritual e mental; e assim Mestre, ao encerrarmos nossos estudos de hoje, ainda rogamos que Tua Paz permaneça sempre conosco, para que o ódio, a cólera, a irritação se transformem em sentimentos de bondade e de compreensão, tornando nossos dias mais leves e repletos de paz.

Permaneça conosco, Mestre Jesus, nos proporcionando uma semana de muita paz, compreensão e serenidade.

Que assim seja.

Graças a Deus! Graças a Jesus.

 

Feliz e Abençoada semana a todos!

Paz e Luz!

comments powered by Disqus