Associação de Divulgação da Doutrina Espírita

São José do Rio Preto - SP

Hora do Evangelho no Lar - Causas atuais das aflições - segundas-feiras Às 12hs

Departamento do Evangelho no Lar - CEFA - segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

HORA DO EVANGELHO NO LAR         
“Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados; Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos; Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus;” Mateus 5:4,6 e10

PRECE

Mestre Jesus que conheceis todas as nossas imperfeições, que nos ama profundamente, auxiliai-nos a compreender as leis divinas.

Faz-nos entender Teu Evangelho de Luz, ensina-nos a aplicá-lo em nossas vidas, afim de que sejamos cada dia melhores do que fomos ontem.

Auxilia-nos Mestre a reconhecermos e corrigirmos nossas falhas, nossas imperfeições.

Dai-nos força e coragem para sermos humildes e mostrai-nos o caminho da iniciativa para solucionarmos nossas dificuldades; o caminho da persistência, para evitarmos o desânimo; o caminho da caridade, para evitarmos o egoísmo e podermos dividir os benefícios que recebemos todos os dias.

Auxilia-nos a sermos merecedores do Teu Amor e Seja, Senhor, sempre, nossa fonte de inspiração.

Que em Teu nome Mestre Jesus, em nome da espiritualidade amiga que coordena esta tarefa, mas sobretudo em nome de Deus, iniciamos mais um Estudo do Evangelho.
Esteja conosco, Senhor, agora e sempre.  

Que assim seja

MENSAGEM INICIAL

“AFLIÇÃO VAZIA”

Ante as dificuldades do cotidiano, exerçamos a paciência, não apenas em auxílio aos outros, mas igualmente a favor de nós mesmos. 
Desejamos referir-nos, sobretudo, ao sofrimento inútil da tensão mental que nos inclina à enfermidade e nos aniquila valiosas oportunidades de serviço.

No passado e no presente, instrutores do espírito e médicos do corpo combatem a ansiedade como sendo um dos piores corrosivos da alma. De nossa parte, é justo colaboremos com eles, a benefício próprio, imunizando-nos contra essa nuvem da imaginação que nos atormenta sem proveito, ameaçando-nos a organização emotiva. 

Aceitemos a hora difícil com a paz do aluno honesto, que deu o melhor de si, no estudo da lição, de modo a comparecer diante da prova, evidenciando consciência tranquila. 
Se o nosso caminho tem as marcas do dever cumprido, a inquietação nos visita a casa íntima na condição do malfeitor decidido a subvertê-la ou dilapidá-la; e assim como é forçoso defender a atmosfera do lar contra a invasão de agentes destrutivos, é indispensável policiar o âmbito de nossos pensamentos, assegurando-lhes a serenidade necessária.

Tensão à face de possíveis acontecimentos lamentáveis é facilitar-lhes a eclosão, de vez que a ideia voltada para o mal é contribuição para que o mal aconteça; e tensão à frente de sucessos menos felizes é dificultar a ação regenerativa do bem, necessário ao reajuste das energias que desastres ou erros hajam desperdiçado. 
Analisemos desapaixonadamente os prejuízos que as nossas preocupações injustificáveis causam aos outros e a nós mesmos, e evitemos semelhante desgaste empregando em trabalho nobilitante os minutos ou as horas que, muita vez, inadvertidamente, reservamos à aflição vazia.

Lembremo-nos de que as Leis Divinas, através dos processos de ação visível e invisível da natureza, a todos nos tratam em bases de equilíbrio, entregando-nos a elas, entre as necessidade do aperfeiçoamento e os desafios do progresso, com a lógica de quem sabe que tensão não substitui esforço construtivo, ante os problemas naturais do caminho. E façamos isso, não apenas por amor aos que nos cercam, mas também a fim de proteger-nos contra a hora da ansiedade que nasce e cresce de nossa invigilância para asfixiar-nos a alma ou arrasar-nos o tempo sem qualquer razão de ser.

Emmanuel -  Psicografia de Francisco Xavier. Do livro: Encontro Marcado

 

LEITURA DO EVANGELHO

Capítulo V – Bem aventurados os aflitos

ITENS 4 e 5 – CAUSAS ATUAIS DAS AFLIÇÕES

4 – As vicissitudes da vida são de duas espécies, ou, se quisermos, tem duas origens bem diversas, que importa distinguir: umas têm sua causa na vida presente; fora desta vida.

Remontando à fonte dos males terrenos, reconhece-se que muitos são as consequências naturais do caráter e da conduta daqueles que os sofrem. Quantos homens caem por sua própria culpa! Quantos são vítimas de sua imprevidência, de seu orgulho e de sua ambição! Quantas pessoas arruinadas por falta de ordem, de perseverança, por mau comportamento ou por terem limitado os seus desejos!

Quantas uniões infelizes, porque resultaram dos cálculos do interesse ou da vaidade, nada tendo com isso o coração! Que de dissensões de disputas funestas, poderiam ser evitadas com mais moderação e menos suscetibilidade! Quantas doenças e aleijões são o efeito da intemperança e dos excessos de toda ordem!

Quantos pais infelizes com os filhos, por não terem combatido as suas más tendências desde o princípio. Por fraqueza ou indiferença, deixaram que se desenvolvessem neles os germes do orgulho, do egoísmo e da tola vaidade, que ressecam o coração. Mais tarde, colhendo o que semearam, admiram-se e afligem-se com a sua falta de respeito e a sua ingratidão. Que todos os que têm o coração ferido pelas vicissitudes e as decepções da vida, interroguem friamente a própria consciência. Que remontem passo a passo à fonte dos males que os afligem, e verão se, na maioria das vezes, não podem dizer: “Se eu tivesse ou não tivesse feito tal coisa, não estaria nesta situação”.

A quem, portanto, devem todas essas aflições, senão a si mesmos? O homem é, assim, num grande número de casos o autor de seus próprios infortúnios. Mas, em vez de reconhecê-lo, acha mais simples, e menos humilhante para a sua vaidade, acusar a sorte, a Providência, a falta de oportunidade, sua má estrela, enquanto, na verdade, sua má estrela é a sua própria incúria.

Os males dessa espécie constituem, seguramente, um número considerável das vicissitudes da vida. O homem os evitará, quando trabalhar para o seu adiantamento moral e intelectual.

5 – A lei humana alcança certas faltas e as pune. O condenado pode então dizer que sofreu a consequência do que praticou. Mas a lei não alcança nem pode alcançar a todas as faltas. Ela castiga especialmente as que causam prejuízos à sociedade, e não as que prejudicam apenas os que as cometem. Mas Deus vê o progresso de todas as criaturas. Eis por que não deixa impune nenhum desvio do caminho reto. Não há uma só falta, por mais leve que seja, uma única infração à sua lei, que não tenha consequências forçosas e inevitáveis, mais ou menos desagradáveis. Donde se segue que, nas pequenas como nas grandes coisas, o homem é sempre punido naquilo em que pecou. Os sofrimentos consequentes são então uma advertência de que ele andou mal. Dão-lhe as experiências e o fazem sentir, a diferença entre o bem e o mal, bem como a necessidade de se melhorar, para evitar no futuro o que já foi para ele uma causa de mágoas. Sem isso, ele não teria nenhum motivo para se emendar, e confiante na impunidade, retardaria o seu adiantamento, e portanto a sua felicidade futura.

Mas a experiência chega, algumas vezes, um pouco tarde; e quando a vida já foi desperdiçada e perturbada, gastas as forças, e o mal é irremediável, então o homem se surpreende a dizer: “Se no começo da vida eu soubesse o que hoje sei, quantas faltas teria evitado; se tivesse de recomeçar, eu me portaria de maneira inteiramente outra; mas já não há mais tempo!” Como o trabalhador preguiçoso que diz: “Perdi o meu dia”, ele também diz: “Perdi a minha vida”. Mas, assim como para o trabalhador o sol nasce no dia seguinte, e começa uma nova jornada, em que pode recuperar o tempo perdido, para ele também brilhará o sol de uma vida nova, após a noite do túmulo, e na qual poderá aproveitar a experiência do passado e pôr em execução suas boas resoluções para o futuro.

REFLEXÕES: Não devemos acreditar que nossos sofrimentos atuais são decorrência pura e simplesmente de nossas encarnações passadas. Allan Kardec, nos mostra que a quase totalidade de nossas dores são consequências de nossos atos nessa mesma encarnação em que ora transitamos. Joanna de Angelis em sua belíssima obra "Iluminação Interior" (psicografia de Divaldo Pereira Franco, cap. 18), nos diz que não sofrer é uma pretensão utópica, um sonho no atual estágio de evolução da Humanidade. No entanto, muitos sofrimentos podem ser modificados se as pessoas compreenderem por que eles existem e alterarem sua conduta diante deles, dispondo-se à renovação, pois a felicidade "não é ausência de dor, mas a perfeita compreensão da sua finalidade"

VIBRAÇÕES

Com os pensamentos elevados, envolvidos em vibrações de amor e paz, pedimos a Jesus por todos os povos, por todos os países, especialmente pelo nosso Brasil, pelo nosso Estado e por nossa cidade.

Que nosso Planeta seja envolvida pela Luz Divina, espalhando por toda superfície Paz e a Harmonia;

Mestre Jesus que seu bálsamo de amor possa envolver todos os que sofrem em um leito de dor, nos hospitais, nos asilos, em suas próprias casas ou pelas ruas. Suaviza Senhor, as dores de cada um deles.

Mestre que através de sua Luz, todos os que se acham perdidos, que se encontram nos vícios, que sentem solidão, que estão em depressão, desconsolados e desamparados de si mesmos, possam encontrar a Paz e o caminho para sua recuperação.

Que a Proteção Divina se estenda também por todos os lares, ao nosso também, que tenham sempre: respeito, harmonia e amor.

Abençoe e Proteja a todos dirigentes espíritas, colaboradores e assistidos, para que sejam sempre fortalecidos e amparados em seus ideais de amor.

Vibremos também, especialmente, por todos aqueles que estão enfraquecidos na fé, pelos que estão desempregados, que todos possam ser fortalecidos e conduzidos para os melhores caminhos.

E, por fim, pedimos por nós mesmos, que nossa Doce e Meiga Maria nos envolva com seu manto de amor e de paz e deposite em nós a sua meiguice e sua proteção.

Graças a Deus, Graças a Jesus.


PRECE FINAL

"Coloca o teu recipiente de água cristalina à frente de tuas orações e espera e confia." [Emmanuel / Chico Xavier]

E assim com nosso ambiente tranquilo, vamos rogando a Jesus, permissão para que os Benfeitores depositem em nossas águas os fluidos divinos, que revigoram nossa saúde e, nos dá força e coragem para nossa transformação moral e espiritual, para que possamos viver sempre em harmonia com tudo e com todos.

Mestre Querido abençoe e fortaleça nosso propósito de nos melhorarmos, dê-nos sempre senhor força e coragem para enfrentarmos os desafios de nossos dias.

Agradecidos Senhor pelo privilégio do trabalho no bem, do estudo edificante e principalmente pela Tua presença em nossas vidas, encerramos nossas reflexões de hoje.

Esteja sempre conosco e que assim seja!

Graças a Deus, graças a Jesus.

 

Que a Paz de Jesus permaneça presente na vida de todos nós.

Uma ótima e abençoada semana a todos.

Paz e Luz!

comments powered by Disqus