Associação de Divulgação da Doutrina Espírita

São José do Rio Preto - SP

Hora do Evangelho no Lar - Convidar os pobres e estropiados - todas as segundas-feiras - 12hs.

Departamento do Evangelho no Lar - CEFA - segunda-feira, 16 de novembro de 2015

HORA DO EVANGELHO NO LAR    

“Quando fizeres um banquete, disse Jesus, não convides os teus amigos, mas os pobres e os estropiados ... e serás bem-aventurado, porque esses não têm com o que te retribuir”. (ESE – cap. XIII – item 7)

PRECE INICIAL

Vamos asserenando nossos corações, nossos pensamentos e elevando nossos sentimentos até nosso Mestre Jesus, depositando em suas Mãos Misericordiosas nossas atribulações, nossos problemas, nossas angustias e aflições, suplicando que nos fortaleça, que nos ampare e nos abençoe sempre, principalmente nos momentos em que nos sentimos mais fragilizados. Vamos também depositar em Suas Mãos nosso amor e nossa gratidão por tudo o que temos recebido, por tantas graças e bênçãos em nossas vidas. Que hoje, neste momento em que vamos estudar e refletir sobre as lições de Jesus, nossos benfeitores, protetores espirituais estejam conosco dando-nos proteção e amparo, orientando-nos e nos inspirando para melhor compreendermos melhor a lição do dia.
E assim, protegidos e amparados, com nosso ambiente harmonizado, e em Teu nome Mestre Jesus iniciamos nossas reflexões de hoje. SÊ conosco Senhor agora e sempre. Que assim seja.

 

MENSAGEM INICIAL
NA HORA DA ASSISTÊNCIA

 “Mas quando fizeres convite chama os pobres, aleijados, coxos e cegos. 1 - JESUS - LUCAS, 14: 13.

 “Auxiliai os infelizes o melhor que puderdes”  Cap.13, 9.

Nas obras de assistência aos irmãos que nos felicitam com as oportunidades do serviço fraterno, em nome do Senhor, vale salientar a autoridade amorosa do Cristo que no-los recomendou.

Ao recebê-los à porta, intentemos ofertar-lhes a1gumas frases de conforto e bom ânimo, sem ferir lhes o coração, ainda mesmo quando não lhes possamos ser úteis.

Visitando lhes o lar, diligenciemos respirar lhes o ambiente doméstico, afetuosamente, reconhecendo-nos, na intimidade da própria família, que nos merece respeito natural e cooperação espontânea, sem tragos de censura.

Em lhes servindo à mesa, fujamos de reprovar lhes os modos ou expressões, diferentes dos nossos, calando apontamentos deselegantes e manifestações de azedume, o que lhes agravaria a subalternidade e a desventura.

Socorrendo-lhes o corpo enfermo ou dolorido, reflitamos nos seres que nos são particularmente amados e imaginemos a gratidão de que seríamos possuídos, diante daqueles que os amparassem nos constrangimentos orgânicos.

Se aceitamos a incumbência de prová-los nas filas organizadas para a distribuição de favores diminutos, preservemos o regulamento estabelecido, com lhaneza e bondade, sem fomentar impaciência ou tumulto; e, se a1guns deles, depois de atendidos, voltarem a nova solicitação, recordemos os filhos queridos, quando nos pedem repetição do prato, e procuremos satisfazê-los, dentro das possibilidades em mão, sem desmerecê-los com qualquer reprimenda.

Na ocasião em que estivermos reunidos, em equipes de trabalho, a fim de supri-los, estejamos de bom-humor, resguardando a disciplina sem intolerância e cultivando a generosidade sem relaxamento, na convicção de que, usando a gentileza, no veículo da ordem, é sempre possível situar os tarefeiros do bem, no lugar próprio, sem desperdiçar lhes o concurso valioso.

Nós que sabemos acatar com apreço e solicitude a todos os representantes dos poderes transitórios do mundo e que treinamos boas maneiras para comportamento digno nos salões aristocráticos da.

Terra, saibamos também ser afáveis e amigos, junto dos nossos companheiros em dificuldades maiores.

Eles não são apenas nossos irmãos. São convidados de Cristo, em nossa casa, pelos quais encontramos ensejo de demonstrar carinho e consideração para com Ele o Divino Mestre, em pequeninos, gestos de amor.

Emmanuel - Extraído do livro " O Livro da Esperança" - Psicografado por FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER

LEITURA DO EVANGELHO
Capítulo XIII – QUE A MÃO ESQUERDA NÃO SAIBA O QUE FAZ A DIREITA

- CONVIDAR OS POBRES E OS ESTROPIADOS – ITENS 7 E 8

7 – Dizia mais ainda ao que o tinha convidado: Quando deres algum jantar ou alguma ceia, não chames nem teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos que forem ricos, para que não aconteça que também eles te convidem à sua vez, e te paguem com isso; mas quando deres algum banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; e serás bem-aventurado, porque esses não tem com que te retribuir, mas ser-te-á isso retribuído na ressurreição dos justos. Tendo ouvido estas coisas, um dos que estavam à mesa disse para Jesus: Bem-aventurado o que comer o pão no Reino de Deus. (Lucas, XIV: 12-15).

8 – “Quando fizeres um banquete, disse Jesus, não convides os teus amigos, mas os pobres e os estropiados”. Essas palavras, absurdas, se as tomarmos ao pé da letra, são sublimes, quando procuramos entender-lhes o espírito. Jesus não poderia ter querido dizer que, em lugar dos amigos, fosse necessário reunir à mesa os mendigos da rua. Sua linguagem era quase sempre figurada, e para os homens incapazes de compreender os tons mais delicados do pensamento, precisava usar de imagem fortes, que produzissem o efeito de cores berrantes. O fundo de seu pensamento se revela por estas palavras: “E serás bem-aventurado, porque esses não têm com o que te retribuir”. O que vale dizer que não se deve fazer o bem com vistas à retribuição, mas pelo simples prazer de fazê-lo. Para tornar clara a comparação, disse: convida os pobres para o teu banquete, pois sabes que eles não podem te retribuir. E por banquete é necessário entender, não propriamente a refeição, mas a participação na abundância de que desfrutas. 

Essas palavras podem também ser aplicadas em sentido mais literal. Quantos só convidam para a sua mesa os que podem, como dizem, honrá-los ou retribuir-lhes o convite. Outros, pelo contrário ficam satisfeitos de receber parentes ou amigos menos afortunados, que todos possuem. Essa é por vezes a maneira de ajudá-los disfarçadamente. Esses, sem ir buscar os cegos e os estropiados, praticam a máxima de Jesus, se o fazem por benevolência, sem ostentação, e se sabem disfarçar o benefício com sincera cordialidade.

REFLEXÕES: O tema de hoje "Convidar os pobres e estropiados“ é na verdade, um desdobramento do tema central dos ensinos de Jesus que é o Amor. O amor que em suas diversas nuances recebe vários “apelidos” e um deles é a caridade, cujo verdadeiro sentido é benevolência para com todos, indulgência para com as imperfeições alheias e perdão das ofensas. Então caridade é o amor em ação e Jesus está nos ensinando que o verdadeiro ato de bem é aquele que se realiza sem esperar retribuição, sem interesse de obter vantagens, aquele que se realiza com a intenção real de auxiliar ao próximo. Pensemos nisto, como estamos agindo em nossos relacionamentos?

PRECE E VIBRAÇÕES -
"Coloca o teu recipiente de água cristalina à frente de tuas orações e espera e confia." [Emmanuel / Chico Xavier]

Vamos agradecendo a Jesus e rogando o seu amparo e proteção a todos os Países, especialmente para aqueles que estejam passando por guerras, atentados e tantas tribulações, que a Paz se estabeleça entre todos os povos. Que aqueles que ainda não conhecem os ensinamentos do Cristo e sejam envolvidos em vibrações de paz, para que possam saírem das trevas da própria ignorância.

Vibramos e oramos por todos os que sofrem em um leito de dor, nos hospitais, nos asilos, em suas próprias casas ou pelas ruas. Suaviza Senhor, as dores de cada um deles.

Rogamos por nossos irmãos atingidos pela tragédia de Bento Rodrigues, por aqueles que sucumbiram e por todos os que estão com suas vidas desestabilizadas, que não sabem como será o amanhã. Que suas dores sejam amenizadas, que eles tenham força para buscarem a verdadeira água viva, pela qual estaremos sempre saciados.

Que através de Tua Luz Mestre, todos os que se acham perdidos, que se encontram nos vícios, que sentem solidão, que estão em depressão, desconsolados e desamparados de si mesmos, possam encontrar a Paz e o caminho para sua recuperação, que possam voltar a ter a alegria de viver.

Que a Proteção Divina se estenda por todos os lares, ao nosso também, que haja sempre: respeito, harmonia e amor entre os familiares.

Abençoe e Proteja nossas Casas Espíritas, aos colaborados e a todos os assistidos e também a todos os líderes religiosos, para continuarem acolhendo e levando os Teus ensinamento a todos os seres.

Rogamos Senhor, pelos pobres e estropiados, do corpo e da alma, por nós inclusive, que também necessitamos de correção e progresso. Que possamos ter olhos de ver e ouvidos para ouvir, compreendendo assim os valores espirituais e assimilando os ensinamentos de nosso Mestre Jesus.

Que, os benfeitores espirituais, fluidifiquem nossas as águas com o bálsamo que alivia as dores, com o remédio salutar que ameniza todos os males físicos, mentais e espirituais, que cada um receba de acordo com seu merecimento e suas necessidades. 

Que Vossa suave e doce influência, Mestre querido, penetre em nossas almas e nos faça enxergar sempre a estrada do bem.

Que possamos compreender que somos todos irmãos e que a compreensão e o amor devem fazer parte de nossos dias. Que o evangelho de Jesus seja sempre o roteiro para nossas vidas e, que Jesus seja nossa companhia, dando-nos sempre bom animo e alegria de viver.  

Que assim seja. 

 

Uma semana de Paz e Alegrias a todos os irmãos!!!

comments powered by Disqus