Associação de Divulgação da Doutrina Espírita

São José do Rio Preto - SP

Hora do Evangelho no Lar - Disponibilizamos o Estudo todas as segundas-feiras - 12hs.

Centro Espírita Francisco de Assis - Depto do Evangelho no Lar - segunda-feira, 1 de junho de 2015

HORA DO EVANGELHO NO LAR


“...e serás bem-aventurado, porque esses não tem com que te retribuir,...”
(Lucas, XIV: 12-15).


PRECE
Vamos neste momento, com muito amor e serenidade em nossos corações, agradecermos a Deus, o Pai da Vida e a Jesus, nosso Irmão Maior, por tudo que temos recebido, por todos os ensinamentos, pela lição de cada dia, pela vida e pela presente encarnação. E assim, agradecidos, vamos sentindo a paz se estabelecer em nosso ambiente e vamos pedindo a Jesus que nos envolva em doces vibrações, que nos proteja e nos fortaleça em todos os dias de nossas vidas. Permita Mestre Jesus, a presença de nossos protetores e benfeitores no estudo de hoje, para que nos dêem assistência espiritual e nos auxiliem na compreensão da lição de hoje.
Que Tua bondade, Mestre, invada sempre nossos corações, penetre nossas almas, a fim de que possamos sempre senti-lo ao nosso lado.
Que possamos compreender, aprender e praticar Teus ensinamentos.
Em Teu Nome, Mestre Jesus, iniciamos o estudo do Teu Evangelho de Luz, roteiro de nossas vidas.
Permaneça conosco.
Que assim seja.

MENSAGEM INICIAL

ROGATIVA DO PÃO
Senhor!
Entre aqueles que te pedem proteção, estou eu também, servo humilde a quem mandaste extinguir o flagelo da fome.
Partilhando o movimento daqueles que te servem, fiz hoje igualmente o meu giro.
Vi-me freqüentemente detido, em lares faustosos, cooperando nas alegrias da mesa farta, mas vi pobres mulheres que me estendiam, debalde, as mãos!...
Vi crianças esquálidas que me olhavam ansiosas, como se estivessem fitando um tesouro perdido.
Encontrei homens tristes, transpirando suor, que me contemplavam, agoniados, rogando, em silêncio, para que lhes socorresse os filhinhos largados ao extremo infortúnio...
Escutei doentes que não precisavam tanto de remédio, mas de mim, para que pudessem atender ao estômago torturado!..
Vi a penúria cansada de pranto e reparei, em muitos corações desvalidos, mudo desespero por minha causa.
Entretanto, Senhor, quase sempre estou encarcerado por aquelas mesmas criaturas que te dizem honrar.
Falam em teu nome, confortadas e distraídas na moldura do supérfluo, esquecendo que caminhaste, no mundo, sem reter uma pedra em que repousar a cabeça.
Elogiam-te a bondade e exaltam-te a glória, sem perceberem, junto delas, seus próprios irmãos fatigados e desnutridos. E, muitas vezes, depois de formosas dissertações em torno de teus ensinos, aprisionam-me em gavetas e armários, quando não me trancam sob a tela colorida de vitrinas custosas ou no recinto escuro dos armazéns.
Ensina-lhes, Senhor, nas lições da caridade, a dividir-me por amor, para que eu não seja motivo à delinqüência.
E, se possível, multiplica-me, por misericórdia, outra vez, a fim de que eu possa aliviar todos os famintos da Terra, porque, um dia,
Senhor, quando ensinavas o homem a orar, incluíste-me entre as necessidades mais justas da vida, suplicando também a Deus:
- "O pão nosso de cada dia dai-nos hoje."
Meimei, do Livro: O Espírito da Verdade, Psicografia: Chico Xavier - Editora: FEB

LEITURA DO EVANGELHO

Cap.13 – QUE VOSSA MÃO ESQUERDA NÃO SAIBA O QUE FAZ A DIREITA.
Convidar os pobres e estropiados – itens 7 e 8.
7 – Dizia mais ainda ao que o tinha convidado: Quando deres algum jantar ou alguma ceia, não chames nem teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos que forem ricos, para que não aconteça que também eles te convidem à sua vez, e te paguem com isso; mas quando deres algum banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; e serás bem-aventurado, porque esses não tem com que te retribuir, mas ser-te-á isso retribuído na ressurreição dos justos. Tendo ouvido estas coisas, um dos que estavam à mesa disse para Jesus: Bem-aventurado o que comer o pão no Reino de Deus. (Lucas, XIV: 12-15).
8 – “Quando fizeres um banquete, disse Jesus, não convides os teus amigos, mas os pobres e os estropiados”. Essas palavras, absurdas, se as tomarmos ao pé da letra, são sublimes, quando procuramos entender-lhes o espírito. Jesus não poderia ter querido dizer que, em lugar dos amigos, fosse necessário reunir à mesa os mendigos da rua. Sua linguagem era quase sempre figurada, e para os homens incapazes de compreender os tons mais delicados do pensamento, precisava usar de imagens fortes, que produzissem o efeito de cores berrantes. O fundo de seu pensamento se revela por estas palavras: “E serás bem-aventurado, porque esses não têm com o que te retribuir”. O que vale dizer que não se deve fazer o bem com vistas à retribuição, mas pelo simples prazer de fazê-lo. Para tornar clara a comparação, disse: convida os pobres para o teu banquete, pois sabes que eles não podem te retribuir. E por banquete é necessário entender, não propriamente a refeição, mas a participação na abundância de que desfrutas.
Essas palavras podem também ser aplicadas em sentido mais literal. Quantos só convidam para a sua mesa os que podem, como dizem, honrá-los ou retribuir-lhes o convite. Outros, pelo contrário ficam satisfeitos de receber parentes ou amigos menos afortunados, que todos possuem. Essa é por vezes a maneira de ajudá-los disfarçadamente. Esses, sem ir buscar os cegos e os estropiados, praticam a máxima de Jesus, se o fazem por benevolência, sem ostentação, e se sabem disfarçar o benefício com sincera cordialidade.


Faça aqui suas reflexões sobre a lição estudada.

Texto auxiliar: Jesus prega o desinteresse pessoal na ação de fazer o bem. Ensina que o verdadeiro ato de bem a outros é sempre o realizado sem esperar retribuição, sem interesse de obter vantagens. Lembra Kardec que a palavra banquete pode significar também “participação na abundância de que desfrutas”. Assim, receber parentes e amigos menos afortunados ou mais necessitados em casa é uma forma de ajudá-los, com benevolência, disfarçando o benefício, sem ostentação, lembrando sempre mais dos que têm necessidades maiores. Lembrar sempre que a caridade deve começar, na família consangüínea, que não se reuniu na Terra por acaso. Fazer o bem sempre, pelo prazer de fazê-lo, sem exigir ou esperar nada em troca, é agir segundo a lei do amor incondicional, que é a meta do desenvolvimento espiritual da humanidade da Terra.

 

VIBRAÇÕES

"Porque onde estiverem reunidos em meu nome,
lá estarei presente." Jesus. (MATEUS, 18:20.)

E vamos assim, partindo para o nosso momento de doação.
Que possamos abrir nossos corações e doar muito amor, muita luz, muita paz, muita força e muita fé, na forma de vibrações.
Vibramos pelo Bem Universal, pela paz entre todos os homens, pelo nosso planeta Terra, por todos os países em especial aqueles que sofrem com conflitos políticos, religiosos e catástrofes naturais.
Vibramos pelo nosso Brasil, imaginando um cordão luminoso em todo o seu contorno geográfico.
Vibramos por governantes e governados, por São José do Rio Preto/SP, essa cidade que nos acolhe com muito amor e carinho.
Vibramos por todos os hospitais, asilos, creches, orfanatos, cadeias públicas, hospitais psiquiátricos.
Pelos dependentes químicos, pelos desempregados, pelos que passam fome, pelos que não tem um lar, pela infância perdida e pela velhice abandonada.
Por todas as obras assistenciais, pelas religiões que procuram difundir o Evangelho do Mestre. Por todas as Casas Espíritas e pela Associação de Divulgação da Doutrina Espírita, por seus ideais e suas frentes de trabalho.
Pelo Centro Espírita Francisco de Assis, que nos dá a oportunidade do estudo, do aprendizado e do trabalho, e também, por seus trabalhadores e assistidos.
Vibramos pelos nossos parentes, encarnados e desencarnados, pelos nossos amigos e pelos nossos desafetos caso tenhamos.
Vibramos pelo nosso local de trabalho e pelo nosso lar, que Jesus deixe lá toda a sua paz e seu amor.
Vibramos pelos pobres e estropiados, do corpo e da alma, inclusive pedimos permissão para vibrarmos por nós mesmos, para que tenhamos muita força, coragem, perseverança e fé em nossa caminhada espiritual, vencendo nossas próprias imperfeições.
E deixamos uma vibração em aberto para que a espiritualidade leve onde se fizer mais necessário.
Graças a Deus (silenciar uns segundinhos)


PRECE FINAL

"Coloca o teu recipiente de água cristalina à frente de tuas orações e espera e confia."
[Emmanuel / Chico Xavier]

Nestes momentos finais, rogamos a Jesus, que os fluídos divinos sejam depositados em nossas águas e que através deles possamos adquirir mais saúde e vitalidade, força e coragem para as lutas de todos os dias, para nossa transformação moral e espiritual, para vivermos em paz e harmonia com tudo e com todos. Mestre Amado, agradecemos a Deus, o Pai da Vida, por tudo que temos, por nossos amigos e supostos inimigos, por nossos familiares, por nosso trabalho, pelo pão de cada dia, por nossos lares, por nossa saúde, por nossa vida e até mesmo pelas dificuldades de cada dia que nos fazem crescer e nos melhorarmos moralmente.
Agradecemos ao nosso querido Mestre Jesus pela oportunidade abençoada de aprendizado e convívio fraterno.
Que o Teu Evangelho de Luz possa servir de norte para o trabalho que nos compete e para nossas vidas.
Que possamos ter humildade, força e perseverança para que tenhamos sempre a precisa coragem de seguir os Teus Exemplos de Amor e Bondade. Obrigada Mestre Jesus. Esteja conosco Senhor, por hoje, amanhã e sempre.
Que assim seja.


RECEBAM NOSSO ABRAÇO FRATERNO E O DESEJO DE UMA SEMANA FELIZ E ABENÇOADA.

comments powered by Disqus